História da Vela

Trireme of Ancient GreeceOs barcos e a possibilidade de velejar foram fatores ou instrumentos de desenvolvimento da maioria das civilizações. Isto permitiu adicionar mobilidade e rapidez em comparação às viagens realizadas por terra. Foi principalmente importante para o desenvolvimento do Comércio e da Pesca.

Mesmo as civilizações mais antigas possuíam barcos para navegar nos rios. Estes barcos eram feitos de troncos de árvore e outros materiais disponíveis como canas e peles de animais. Alguns dos barcos mais importantes da história são:

Barcos do Antigo Egito

Data de 3400 AC, a utilização dos primeiros barcos para navegar o Rio Nilo. Estes barcos eram feitos de canas de papiro. Depois de grande evolução, os mercadores egípcios começaram a importar madeira para fazerem barcos similares aos dos mercadores de Creta. O Faraó Ramsés III, em 1400 AC, mandou construir a primeira frota de barcos de guerra.

Trireme da Grécia Antiga

As galés ou triremes eram usados como barcos de guerra pelos Gregos Antigos. Eram constituídos por bancos de três remadores e estes barcos foram responsáveis pela vitória sobre a poderosa frota da Pérsia na batalha de Salamis em 480 AC.

Hippoi dos Fenícios

Este povo usava seus barcos de carga para o comércio. Os principais materiais comercializados por estes mercadores eram o vidro, os corantes, o linho, o azeite, o marfim, entre muitas outras matérias-primas. Os Fenícios foram responsáveis pelo desenvolvimento de muitas técnicas de navegação marítima.

Caravelas Portuguesas

Os barcos construídos pelos portugueses, chamados de naus, serviram primeiro para explorar a costa de África. No final do séc XV, seus barcos já eram capazes de fazer grandes travessias oceânicas. Foi numa destas naus que Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil.

Época das Velas

Este é o período onde os barcos à vela dominaram as rotas comerciais e as batalhas por mar. Durou do século XVI até meio do século XIX; durante este período, os navios à vela levaram os exploradores europeus e colonizadores a muitas partes do mundo.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *